Com a criação do Outubro Rosa — a campanha de conscientização e prevenção do câncer de mama —, surgiram outras datas que visam espalhar o conhecimento sobre doenças ao maior número possível de pessoas e, com isso, obter resultados. Entre elas, podemos citar a prevenção do câncer de próstata, do suicídio e do diabetes.

O Dia Mundial do Diabetes é celebrado em 14 de novembro e foi criado em 1991 como uma resposta da OMS (Organização Mundial da Saúde) ao rápido avanço da doença pelo mundo.

O número de diabéticos é alarmante: segundo dados fornecidos pela SBD (Sociedade Brasileira de Diabetes), em 2012 a estimativa era de que mais de 12 milhões de brasileiros lidavam com o problema. No mundo, os números cresceram de 108 milhões (em 1980) para 422 milhões (em 2014).

Pensando nisso, preparamos um post com informações para que você também fique informado. Boa leitura!

O que é diabetes e o que causa o problema?

É uma doença crônica, autoimune, que afeta a maneira como o organismo lida com os carboidratos. Normalmente, eles são quebrados e armazenados na forma de glicose, uma das reservas energéticas utilizadas pelos seres humanos.

No entanto, para utilizá-la apropriadamente, precisamos da insulina, um hormônio produzido pelo pâncreas que tem como função a regulação metabólica do açúcar. É aí que mora o problema: os diabéticos não produzem insulina ou não conseguem utilizá-la corretamente, o que aumenta — e muito — as taxas de açúcar na corrente sanguínea.

Há vários tipos de diabetes. Confira:

Diabetes tipo 1

Aqui, as células pancreáticas são atacadas pelos anticorpos, sendo destruídas. Com isso, o pâncreas perde a funcionalidade e para de produzir insulina.

Embora possa surgir por vários fatores, como outras doenças, a causa mais comum do tipo 1 é a hereditariedade.

Diabetes tipo 2

Essa é a forma mais comum da doença: atinge cerca de 90% dos diabéticos. Nesse caso, o pâncreas ainda produz insulina, mas em quantidade insuficiente, e ocorre uma resistência a ela.

Essa forma de diabetes está associada à obesidade e a um estilo de vida sedentário.

Diabetes gestacional

A gravidez pode causar resistência à insulina, aumentando os níveis de glicose no sangue da mulher e podendo prejudicar o feto. A boa notícia é que, na maior parte dos casos, o problema é resolvido após a gestação.

Quais são os principais sintomas e complicações?

Os sintomas são praticamente os mesmos para todos os tipos de diabetes. Confira os principais:

  • fome e sede excessivas;
  • aumento no volume de urina;
  • ganho ou perda de peso repentinos;
  • cansaço;
  • boca seca;
  • coceiras na pele;
  • visão embaçada;
  • surgimento de fungos na pele;
  • cicatrização lenta.

Assim como os sintomas, existem várias complicações possíveis. Veja algumas delas:

  • doenças cardiovasculares;
  • problemas nos nervos;
  • danos aos rins;
  • danos aos olhos;
  • acidentes vasculares cerebrais.

Existem formas de prevenção?

Embora ainda não seja possível prevenir o aparecimento do diabetes tipo 1, com o tipo 2 a prevenção pode ser feita com algumas pequenas mudanças em seus hábitos:

Faça mais exercícios

Além de diminuir o peso corporal, a prática de atividades físicas baixa os níveis de glicose no sangue e auxilia na sensibilidade à insulina.

Alimente-se corretamente

Evite alimentos processados, que normalmente estão cheios de açúcares. Prefira a boa e velha comida caseira e procure ingerir mais alimentos integrais e ricos em fibras.

Procure atividades prazerosas

O estresse é um dos maiores vilões da saúde e está ligado ao surgimento de várias doenças, como a obesidade. Trabalhe o emocional e mantenha a sua mente sã!

Quais são os tratamentos possíveis?

O tratamento da doença é feito por meio do controle dos níveis de glicose. Por isso, hábitos saudáveis são extremamente recomendados. Além disso, podem ser prescritas medicações para ajudar a controlar tais níveis.

No entanto, o método mais comum de tratamento é o uso regular da insulina, para substituir aquela que não é mais produzida ou é insuficiente. A frequência deve ser estipulada por um médico.

Não espere o Dia Mundial do Diabetes chegar: caso você apresente alguns dos sintomas mencionados ou tenha casos de diabetes na família, procure um médico!

Agora, que tal ajudar a espalhar a informação compartilhando este artigo nas suas redes sociais? Até a próxima!

Share This